WhatsApp Image 2021-06-10 at 16.47.27

Parlamentar defende desenvolvimento sustentável como via para preservação ambiental

O deputado estadual e líder governista na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), Rosemberg Pinto (PT), defendeu, nesta quinta-feira, 10, em Itacaré, a concessão de incentivos aos particulares que conservem nascentes de rios e matas ciliares, e elogiou a iniciativa do presidente da Consórcio de Desenvolvimento Sustentável Litoral Sul (CDS–LS) e gestor itacareense, Antônio de Anízio (PT) que buscou apoio de outros municípios para acabar com os lixões.

“Vocês estão bem à frente da maioria das cidades neste tema ao fazer este processo de consorciamento, cada cidade sozinha não tem condição de assumir uma tarefa tão cara à sociedade”, destacou durante entrevista ao programa Quinta Ecológica, da Rádio web Paraíso Baiano.

O parlamentar afirmou que dialogará com os seus pares da Comissão de Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos da Alba e a secretária interina do Meio Ambiente (Sema), Márcia Telles sobre o financiamento do Estado, via criação de programa ou projeto, para recuperação e conservação de nascentes e matas ciliares. Relator da nova Política Estadual de Meio Ambiente da Bahia, aprovada em 2012, Rosemberg defende o desenvolvimento sustentável como solução para preservação ambiental, para isso, há a necessidade da intervenção estatal somada com o setor empresarial, além da educação para formação da consciência ambiental.

“A formação da sociedade brasileira é baseada no extrativismo, precisamos fazer uma reeducação e temos que começar com os mais novos, nas escolas, e educar esta nova geração com um novo pensamento de desenvolvimento, precisamos pensar na vida”, complementou o deputado.

Resíduos sólidos

“A legislação é clara, nós não podemos levar para os aterros sanitários nada que pode ser reaproveitado”, pontuou Rosemberg, em referência à Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos e ao Plano Estadual de Resíduos Sólidos da Bahia, que faz parte da Lei Estadual 12.932/14, e elencou como medidas para cumprir a regra: políticas educacionais para redução de lixo, criar condições de recuperar o que é reciclável e realizar o consorciamento intermunicipal com a participação dos diversos segmentos organizados como o setor empresarial.