Hospital Regional Costa do Cacau (8)

O Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, adotou como prática, uma ação semanal, que integra a coordenação Farmacêutica e as equipes das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) para administração de medicamentos na unidade. Durante os encontros é escolhido um fármaco para discussão de seu uso, com o objetivo de capacitar e atualizar médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem que prestam assistência aos pacientes.

De acordo com a farmacêutica Vivica Karoline, coordenadora Farmacêutica do HRCC, a farmácia clínica consiste em otimizar tratamentos e diminuir os riscos causados por medicamentos, promovendo seu uso racional. “O farmacêutico clínico promove o cuidado ao paciente, atuando no rastreio, na análise das prescrições e elabora estratégias para interagir e capacitar a equipe multidisciplinar, orientando a prática da administração dos medicamentos”, explicou.

Vivica Karoline relatou que a unidade já desenvolvia o programa de farmácia clínica, porém com a prática das reuniões de rotina, houve um avanço em busca de um cuidado maior nas práticas adotadas nas UTIs. “Fizemos um acordo com as coordenações de enfermagem das UTIs, a partir desse momento, estamos promovendo a integração de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, com informações sobre as drogas de maior relevância, selecionando as categorias das substâncias vasoativas, sedativas e os antibióticos, informações que vão desde o mecanismo de ação até o estabelecimento de solução padrão da droga”, destacou.

A coordenadora Farmacêutica revelou que o HRCC é um dos poucos hospitais públicos da Bahia que contam com esse programa de assistência farmacêutica. “Nosso programa foi analisado e aprovado por nossa diretoria técnica, nosso objetivo é que daqui a alguns meses já tenhamos avançado e atingido de forma impactante a todos os setores”, disse Vivica Karoline.

Para a enfermeira Camila Rosário, coordenadora da UTI 3, o encontro semanal é muito importante e tem como objetivo capacitar e atualizar as equipes da terapia intensiva sobre fármacos. “Discutimos sobre o medicamento e questões relacionadas a ele. Mecanismo de ação, interação medicamentosa, efeito adversos, efeitos esperados, meia vida, diluição, prazo, utilização pós diluição, todas as questões tendentes ao medicamento. Este momento é muito relevante para o aperfeiçoamento da nossa assistência aos pacientes”, declarou.