Baixado por mais de 328,8 mil pessoas, o aplicativo Preço da Hora Bahia registrou um aumento de 50,4% no total de usuários desde junho. Neste período, o app passou a ser utilizado por nada menos que 110 mil novos usuários. Implantado pelo Governo do Estado em abril, por meio da Secretaria da Fazenda (Sefaz-Ba), o Preço da Hora Bahia pesquisa em segundos os preços mais baixos de todos os produtos à venda no mercado varejista da Bahia, com base nas informações das notas fiscais eletrônicas, permitindo que o usuário só precise deslocar-se após identificar o estabelecimento onde foi encontrada a melhor oferta.

O app tem a maior parte dos usuários na capital, mas vem crescendo bastante também em cidades do interior. Os 20 municípios que contam com maior número de usuários são: Salvador (170.981), Feira de Santana (23.151), Lauro de Freitas (15.039), Camaçari (11.681), Vitória da Conquista (6.671), Itabuna (5.666), Santo Antônio de Jesus (5.348), Ilhéus (4.490), Alagoinhas (4.401), Teixeira de Freitas (3.491), Jequié (3.295), Porto Seguro (3.255), Simões Filho (3.112), Barreiras (2.980), Cruz das Almas (2.851), Candeias (2.648), Dias D’Ávila (2.297), Paulo Afonso (2.150), Eunápolis (1.978) e Juazeiro (1.752). Os demais municípios contam, ao todo, com um total de 51.574 usuários.

O Preço da Hora está disponível para celulares com sistemas operacionais Android e iOS e também no site precodahorabahia.ba.gov.br. Além de permitir a pesquisa em um raio de até 30 quilômetros de onde se localiza o usuário, em qualquer município do estado, o app traz uma série de outras funcionalidades. O usuário pode ver na tela o dia e a hora de realização da última venda da mercadoria, além do telefone e da rota para se chegar ao estabelecimento onde ela está disponível.

O aplicativo dispõe ainda de canais específicos para pesquisas em farmácias e postos de gasolina, mapa com as três melhores ofertas na região pesquisada e a possibilidade de se preparar listas de compras com até 40 itens, obtendo os cinco melhores preços na cidade.

Economia para o usuário

“Quem conhece acaba adotando o aplicativo, em função da utilidade e da extrema facilidade de uso”, ressalta o secretário da Fazenda do Estado, Manoel Vitório. Ele lembra que muitas pessoas ficam sabendo do aplicativo a partir da indicação de amigos e conhecidos. “Basta experimentar para ver que se trata de uma ferramenta destinada a fazer parte do dia a dia”, observa.

Vitório ressalta que a base de dados do aplicativo é alimentada pelas mais de 3,2 milhões de notas fiscais eletrônicas processadas diariamente pela Sefaz-Ba. Atualmente, a partir destas informações, é possível pesquisar os preços de cerca de 500 mil produtos à venda no varejo em toda a Bahia.

O diretor de Produção de Informações da Sefaz-Ba, Jadson Bitencourt, enfatiza: “Quem ainda não usa o Preço da Hora está perdendo uma grande oportunidade de economizar”. O app vem inclusive sendo apontado pelo Procon-Ba como uma alternativa eficaz para os consumidores diante da alta de alimentos que tem o arroz como o destaque do noticiário, mas atinge também itens como feijão, óleo de soja, carne e pão.