Para apaziguar a animosidade na Sesttran entre servidores e o secretário Gilberto Santana, o Legislativo itabunense propôs mesa de diálogo envolvendo ainda sindicato, Ministério Público (estadual e do Trabalho) e Câmara. Para Jairo Araújo (PCdoB) e Beto Dourado (PSDB), regularizar os salários atrasados de agentes de trânsito e guardas civis seria crucial para iniciar a pacificação. A expectativa é que a rodada de conversas seja aberta na próxima semana.

Nessa terça, 04, Santana esteve na Casa para esclarecer denúncias de assédio moral feitas por empregados da Sesttran. Ao lado do procurador-geral, Luiz Fernando Guarnieri, outro convocado da sessão especial, Santana rebateu as acusações e declarou que medidas adotadas contra empregados (como suspensões e faltas) tiveram motivação e respaldo legal. “Não existe punição [na Sesttran] sem direito à defesa”, justificou-se Santana.

Autores da convocação, Jairo Araújo e Guinho (PDT) sustentaram que alguns atos administrativos praticados por Santana foram considerados ilegais, inclusive, pela Procuradoria do Trabalho. “O senhor pode até ter a boa vontade de acertar, mas fere a legislação. Faz punições à margem da lei”, denunciou Araújo dirigindo-se ao secretário de Segurança, Transporte e Trânsito. Os vereadores criticaram os descontos salariais como punição imediata.