Fafen_BA

O fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados da Bahia (Fafen-BA), uma unidade da Petrobras localizada no Polo Petroquímico de Camaçari, será pauta de uma Audiência Pública na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), no próximo dia 9 de abril, às 10h, no plenário da Casa de Leis do estado.

O encontro foi proposto pela presidência da Alba, após solicitação do deputado Rosemberg Pinto (PT), um dos articuladores na defesa da planta de fertilizantes. O parlamentar petista é ex-funcionário da Fafen, empresa que trabalhou durante 34 anos. Primeira fábrica do Polo, a Fafen produz anualmente meio milhão de toneladas de ureia, de amônia e de gás carbônico, produtos fundamentais para o desenvolvimento da agricultura e da pecuária na Bahia e no Brasil.

“Estamos convocando toda a sociedade baiana, os trabalhadores, empresários, governantes e parlamentares para essa atividade em defesa da Fafen. Temos que resolver esse problema, de uma vez por todas, e garantir que a Fafen continue produzindo na Bahia e em Sergipe”, defendeu Rosemberg.

A Petrobras anunciou na semana passada o fechamento das plantas de fertilizantes da Bahia e Sergipe e a venda das unidades do Paraná e Mato Grosso do Sul. Na Bahia, com a paralisação das atividades, 700 postos diretos de trabalho poderão fechados e haverá impactos em toda cadeia produtiva do setor. As substâncias produzidas pela Fafen são utilizadas como matéria-prima em outras empresas do Polo Petroquímico, o que pode acarretar mais demissões. O Grupo Unigel, por exemplo, é o principal cliente da Fafen. Cerca de 95% da produção de amônia é direcionada à empresa e, sem a matéria-prima, a planta para, como já anunciou o diretor industrial da empresa, Edson de Paiva Alves. A Unigel, com plantas em Camaçari e Candeias, é a maior produtora de acrílicos e estirênicos da América Latina.